domingo, 26 de fevereiro de 2012

Qualquer Simplicidade

O sono despertou com insônia. O mundo acordou bêbado de toda a sua arrogância. As flores despedaçadas de suas belezas. O vento uivando de sua estagnação. O concreto nublado do céu, transparece qualquer coisa ainda obscuro para mim. Uma coisa que sei instintivamente e não sei explicar ou entender. As emoções estão sendo decaptadas por essa ainda vaga ausência de vida. Necessito de uma pulsação irreal, que me descontrole e dilacere-me do cotidiano. Tenho horror ao cotidiano. Preciso absorver alguma sensação, qualquer briza suave me faria feliz. Eu, como criança que sou, me divirto com qualquer coisa simples. A simplicidade é meu alíbi.

Nenhum comentário:

Postar um comentário